26 de novembro de 2012

IAV-IDV projeta crescimento nas vendas de 4,8% em fevereiro e de 4,7% em março

Estudo elaborado pelos associados do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) aponta para recuperação de vendas nos três primeiros meses de 2015. Segundo o Índice Antecedente de Vendas (IAV), a partir de janeiro teremos retomada do ritmo de crescimento de vendas de 5,2%, em relação ao mesmo mês do ano anterior, chegando a um patamar de crescimento real de 4,8% em fevereiro e 4,7% em março.

A pesquisa mostrou que o setor de bens semi-duráveis, que inclui vestuário, calçados, livrarias e artigos esportivos, ficou acima do IAV no mês de dezembro, com o fechamento de 4%, já descontada a inflação, com estimativa de crescimento para os próximos meses de 4,7% em janeiro, 1,7% em fevereiro e 4,7% em março de 2015.

Para o segmento de bens duráveis, os associados informaram resultado real negativo de -3% no mês de dezembro de 2014 em relação ao mesmo mês do ano anterior. Para os meses subsequentes, a expectativa é de crescimento de 0,9% em janeiro, 0,3% em fevereiro e 2,3% em março de 2015.

O IAV é divulgado aproximadamente 30 dias antes da PMC (Pesquisa Mensal do Comércio), do IBGE. Além disso, o índice aponta também a expectativa dos associados do IDV para os próximos três meses.

Expectativas para 2015
Para 2015, a injeção de renda com o aumento do salário mínimo e a ainda crescente massa salarial irão contribuir positivamente, além do natural dinamismo do varejo, que com inovações consistentes nos produtos e nas prestações de serviços aos clientes tem conseguido apresentar crescimentos reais de vendas, bem acima do PIB. A manutenção do cenário macro econômico, porém, e a nova política econômica (maior austeridade e aumento de impostos) devem gerar desafios relevantes ao varejo no ano de 2015. As projeções dos analistas de mercado divulgadas pelo Boletim Focus no dia 16 de janeiro de 2015 estimam uma expansão de 0,12% para o PIB de 2014 e 0,38% para 2015. Quanto ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), as projeções são de 6,67%, em 2015, e 5,70%, em 2016.

Cenário Econômico em 2014
A inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em dezembro de 2014 apontou variação de 0,78% no mês, valor maior que o registrado no mês anterior (0,51%). Levando-se em consideração os últimos doze meses, o índice fechou o mês de dezembro de 2014 em 6,41%, acima dos 5,91% verificados em dezembro de 2013, e abaixo do limite do teto da meta de 6,50% estipulado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para o ano de 2014.

Em relação ao Emprego, a PME (Pesquisa Mensal de Emprego), do IBGE, apontou taxa de desocupação de novembro de 2014 em 4,8% para o conjunto das seis regiões metropolitanas. Isto representa aumento de 0,1 ponto percentual na comparação com outubro de 2014, e 0,1 ponto percentual abaixo do nível registrado em novembro de 2013. A queda se deu pela redução da PEA - População Economicamente Ativa, e não pelo aumento da população ocupada.

O rendimento médio real habitual das seis regiões metropolitanas monitoradas pelo IBGE foi de R$ 2.148,50, 2,7% maior do que o registrado em novembro de 2013 (R$ 2.091,57), destacando-se: Salvador (7,5%) e Rio de Janeiro (4,3%) como as regiões que tiveram os maiores aumentos de rendimento.

Os juros cobrados ao consumidor final apontaram leve queda de 0,1p.p. em novembro de 2014 contra o mês anterior, fechando em 28,0% ao ano. A leve queda deu-se devido à redução do spread bancário, passando de 19,2% em outubro de 2014 para 18,9% em novembro. A taxa de aplicação voltou a crescer em novembro e fechou em 9,1%, alcançando o mesmo patamar de maio de 2014.

O volume de recursos livres e direcionados às pessoas físicas e jurídicas apontou nova alta em relação a outubro de 2014, atingindo o montante de R$ 2,963 trilhões, alta de 1,27% em relação ao mês imediatamente anterior e 11,8% na comparação anual, alcançando 58,0% do PIB, contra 55,2% do ano anterior.

Sobre o IAV - Índice Antecedente de Vendas
Criado em outubro de 2007, o IAV-IDV é um índice que consolida a evolução das vendas efetivamente realizadas pelos associados do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo), com o intuito de projetar expectativas para os próximos meses e, assim, servir de base de informação para a tomada de decisão dos executivos do varejo.

Para se chegar aos números apresentados pelo IAV-IDV, as empresas associadas reportam seus próprios resultados e suas expectativas sobre vendas no futuro. Em seguida, estas respostas são ponderadas de acordo com o respectivo porte de cada empresa, para que se alcance indicadores como o volume de vendas e o faturamento nominal. Os dados extraídos pelo indicador têm permitido uma visualização mais ampla do comportamento do mercado para um período futuro de até três meses.

Sobre o IDV- Instituto para Desenvolvimento do Varejo
O IDV representa 64 empresas varejistas de diferentes setores, como alimentos, eletrodomésticos, móveis, utilidades domésticas, produtos de higiene e limpeza, cosméticos, material de construção, medicamentos, vestuário e calçados. Atuante em todo o território nacional, o IDV tem como principal objetivo contribuir para o crescimento sustentável da economia brasileira, além do desenvolvimento do varejo ético e formal.

As empresas associadas são: Ale Sat, Ammo/Varejo, Avon, Bio Ritmo, Bob´s, B2W, BR Home Centers, C&A, C&C Casa e Construção, Carrefour, Cencosud, Centauro, Cybelar, Decathlon, Dudalina, DPaschoal, Etna, Fnac, Fototica, Grupo Colombo, Grupo Dimed-Panvel, Grupo Pão de Açúcar, GS&MD Gouvêa de Souza, Habib’s, Hering, Inbrands, Insinuante, Itapuã Calçados, Kalunga, Leo Madeiras, Leroy Merlin, Livraria Cultura, Livraria Saraiva, Lojas Americanas, Lojas Cem, Lojas Leader, Lojas Pompeia, Lojas Renner, Lojas Riachuelo, Lojas Marisa, Magazine Luiza, Malwee, Marisol, Netshoes, Novo Mundo, O Boticário, Óticas Carol, Paquetá, Pague Menos, Pernambucanas, Pet Center Marginal, Polishop, Quero-Quero Casa e Construção, Raia Drogasil, Ráscal, RiHappy, Sephora, Spoleto, Telhanorte, TNG, Tok&Stok, Via Veneto, Walmart e Zelo.

 


 

https://www.saopaulopretaporter.com/noticias/ler/iav-idv-projeta-crescimento-nas-vendas-de-48-em-fevereiro-e-de-47-em-marco